Compartilhe nas redes sociais

domingo, 26 de abril de 2015

Amostras de doença misteriosa foram enviadas para análise em CDC dos EUA. A mesma doença chega na Paraíba.

Com a divulgação do aumento do número de casos da "doença misteriosa" em Salvador, um grande número de leitores do Blog Ivando Agente de Saúde, passou relatar ocorrências da enfermidade em diferentes municípios baianos.

No entanto, ainda não há números oficiais sobre os casos. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou que amostras da doença foram enviadas ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e também a um laboratório brasileiro para análise.



Apenas a partir da identificação da doença será possível iniciar a profilaxia, ou seja, medidas para prevenir ou atenuar a enfermidade. De acordo com a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da Sesab, Jesuína Castro, já existem 19 municípios com 3,5 mil notificações na Bahia. Entre os atingidos, Camaçari, Simões Filho, Itiúba e Salvador apresentam o maior número de casos suspeitos. Jesuína afirmou que as ações para tratar a doença são semelhantes às usadas para dengue e chikungunya. "A gente está tratando com os procedimentos de controle da dengue porque a principal hipótese é que a doença exantemática seja transmitida por mosquito, o que inclui aí o Aedes aegypti", afirmou. Os pacientes devem evitar a automedicação e procurar as unidades de saúde, mesmo que estejam sobrecarregadas.
Fonte: Bahia Notícias

Doença misteriosa e contagiosa chega à Paraíba; Ministério da Saúde investiga os casos;

Uma doença misteriosa conhecida por ‘Eritema Infeccioso ou  Parvovírus B19’ chega a Paraíba  e já preocupa as autoridades de saúde. Várias pessoas apresentando os sintomas da doença estão procurando os serviços de saúde. Diante da situação, técnicos do Ministério da Saúde já se encontram em João Pessoa fazendo uma avaliação de todo os casos suspeitos, mas até agora não foi fechado nenhum diagnóstico preciso sobre doença.
Um dos pacientes apresentando os sintomas da doença procurou o serviço de saúde é o médico suspeitou que se tratava da doença que é muito confundida com a dengue.
Os sintomas são manchas avermelhadas que podem se estender para os braços, tronco, coxas e nádegas. A coloração das manchas é rosada ou avermelhada e com um ligeiro relevo.
A diretora geral do Clementino Fraga, Adriana Teixeira fala um pouco mais sobre a doença:

O que é Eritema infeccioso?

Eritema infeccioso é uma doença causada pelo vírus parvovírus B19. Também chamada de parvovirose, ela afeta principalmente crianças e o principal sintoma são erupções vermelhas nos braços, pernas e rosto. Essa doença pode ser grave em casos de gravidez ou pessoas com um sistema imunológico comprometido.

Causas:

O parvovírus B19 humano provoca eritema infeccioso. A doença já é contagiosa uma semana antes das erupções aparecerem. No entanto, uma vez que a doença se manifesta, a doença deixa de ser contagiosa.

Sintomas:

A maioria das pessoas com eritema infeccioso não têm sintomas. Entretanto, os primeiros sinais de eritema infeccioso em adultos e crianças podem incluir:

Garganta inflamada; Febre baixa; Dor de estômago; Dor de cabeça; Fadiga; Coceira; Garganta inflamada; Febre baixa; Dor de estômago; Dor de cabeça e Fadiga.

Eritema infeccioso em adultos:

Adultos não costumam desenvolver as erupções e manchas no rosto. Em vez disso, o sintoma mais importante do eritema infeccioso em adultos é a dor nas articulações, que podem durar dias ou semanas. As articulações mais comumente afetadas são as mãos, pulsos, joelhos e tornozelos.

Eritema infeccioso em crianças:

Vários dias após o aparecimento dos primeiros sintomas pode aparecer uma mancha avermelhada em ambas as faces da criança. Eventualmente, ela pode se estender para os braços, tronco, coxas e nádegas. A coloração das manchas é rosada ou avermelhada e com um ligeiro relevo.

Período de Incubação:

Repouso e ingestão de líquidos são ações que facilitam o processo de cura. As crianças muitas vezes podem voltar para a escola quando as erupções cutâneas acontecem, pois já não são mais contagiosas nesse ponto.

Após contrair o parvovírus uma vez, a pessoa se torna imune à doença.

Tratamento:

Na maioria dos casos não é necessário qualquer tratamento para eritema infecioso. Se há dor nas articulações ou dor de cabeça, por exemplo, podem ser usados analgésicos conforme os sintomas aparecerem. Caso contrário, é necessário apenas esperar o corpo combater o vírus, o que normalmente leva de uma a três semanas.

Repouso e ingestão de líquidos são ações que facilitam o processo de cura. As crianças muitas vezes podem voltar para a escola quando as erupções cutâneas acontecem, pois já não são mais contagiosas nesse ponto.

Após contrair o parvovírus uma vez, a pessoa se torna imune à doença.

Prevenção:

Não há vacina para eritema infeccioso. Como é uma doença transmitida pelo ar e através de fluidos corporais, é Importante lavar suas mãos e as da criança com frequência pode ajudar a diminuir as chances de infecção. Além disso, é importante evitar o contato com crianças e adultos infectados pelo menos até que ocorram as erupções cutâneas.
Fonte: Paraiba 
Compartilhe: