Compartilhe nas redes sociais

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Casos de dengue reduzem 83% em Salvador. Fizemos a nossa parte, agora só falta o Prefeito ACM Neto (DEM) fazer o dele: PAGAR NOSSO PISO SALARIAL!

Nos quatro primeiros meses de 2015, a capital baiana contabilizou 147 casos confirmados de dengue. O número demonstra uma redução de 83% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 914 casos. Os dados são da Secretaria da Saúde do Município (SMS).

A Bahia, por sua vez, encontra-se em estado de emergência, de acordo com registros do Ministério da Saúde: este ano, já foram registrados 20.813 casos no estado, o que equivale a um aumento de 153% em relação ao mesmo período do ano passado.
O secretário municipal da Saúde, José Antônio Rodrigues, atribui a redução do número de casos, em Salvador, a mudanças  na linha de enfrentamento da doença. Dentre elas, o trabalho de varredura de focos do Aedes aegypti, que consiste em intensificar as ações em bairros onde o índice de infestação é mais elevado.
"A intenção é que as localidades onde o foco do mosquito é encontrado de forma recorrente recebam uma atenção maior dos agentes. Isso não significa que os demais  ficarão desassistidos. O trabalho regular, de porta em porta, segue em todos os bairros da cidade", afirmou.

Varredura

O processo de varredura, conforme a coordenadora do Programa Municipal de Combate à Dengue, Isabel Guimarães, executa ações em um curto espaço de tempo, ao contrário do que é feito regularmente nos outros bairros, quando o serviço chega a durar cerca de 45 dias, a depender da quantidade de focos e do número de imóveis.
"Durante uma semana, as ações se concentram em determinados locais onde o índice de infestação é grande. Nesse período, os agentes identificam os possíveis criadores, eliminam os focos com larvicida e orientam os moradores. Desta forma, constatamos que os resultados são mais eficazes", disse Isabel Guimarães.
Para tanto, a secretaria destinou cerca de 85% dos agentes de endemias para a ação voltada ao combate do mosquito. Desse total, pelo menos 100 deles trabalham exclusivamente com para a varredura.
"Do total de quase dois mil funcionários, cerca de 1.700 estão voltados para o controle da dengue. Com isso, vamos acelerar o processo de eliminação das larvas e mosquitos", afirmou.

Alerta

Embora o número de casos tenha reduzido nos primeiros meses de 2015, o índice de infestação predial (IIP) por larvas do mosquito transmissor da dengue é de 2,5%, valor que mantém a capital baiana em situação de alerta.
Por conta disso, o secretário da Saúde não descarta a possibilidade de epidemia: "Vamos dar continuidade ao trabalho. Precisamos, também, que a população se mantenha atenta para evitar a criação de mais focos".

Até quando o prefeito ACM Neto (DEM), vai nos enrolar em não pagar o piso? Nossa parte nós fazemos, agora prefeito, faça a sua: PAGUE NOSSO PISO SALARIAL!
Compartilhe: