Compartilhe nas redes sociais

sexta-feira, 3 de junho de 2016

NOTÍCIA AMARGA: Arrecadação de Salvador no 1º quadrimestre cai e servidores não devem ter reajuste. E o SINDSEPS "proibido" de fazer greve por acordo. E AGORA SERVIDOR?

Vereador Claudio Tinoco (DEM), presidente da Comissão de Finanças de Salvador
Olá colegas! Como já era de se esperar o prefeito ACM Neto (DEM), depois de travar a licença prêmio, cortar diversos benefícios dos servidores, esse ano fecha com chave de ouro e arruma uma desculpa para não dar o reajuste ao servidor. E com o SINDSEPS "proibido" de fazer greve por causa de acordo firmado depois de uma desastrosa greve, prejudica ainda mais os servidores. Veja abaixo:
O relatório do balanço fiscal do primeiro quadrimestre de Salvador não trará boas notícias para os servidores municipais. De acordo com o presidente da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização da Câmara de Vereadores, vereador Cláudio Tinoco (DEM), a arrecadação do município caiu – fator decisivo, segundo a Secretaria de Gestão (Semge), para dar aumento, ou não, à categoria.

A notícia não foi bem recebida pelo presidente do Sindicato dos Servidores da Prefeitura do Salvador (Sindseps), Everaldo Braga, que prometeu “greve geral”. “Cair, a arrecadação caiu. No bimestre (janeiro e fevereiro deste ano), ela caiu 9,7%. E o bimestre é um período melhor, pois tem a cota única de IPTU”, apontou Tinoco, sem revelar quanto foi a queda. Ainda de acordo com o vereador, o município fez a sua parte. “Tivemos um contingenciamento no começo do ano, pois já imaginávamos essas dificuldades”, apontou.  Para Braga, a prefeitura tem que conceder o aumento se estiver dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal. “Se a prefeitura tiver dentro do limite, ela vai ter que dar, ou vamos parar. A prefeitura tem que cumprir lei. Isso independe de a arrecadação melhorar ou piorar”, reclamou.
Fonte: Bahia Notícias

Minha opinião:

Depois de uma desastrosa greve, cheio de pirotecnias e sem resultado efetivo, custou ao SINDSEPS a desmoralização e o desespero de tentar um acordo de rendição, depois de perder duas vezes na justiça e ser condenado a pagar indenização por dias parados. E o fruto desse desastre foi o acordo de reajuste zero e proibição de fazer greve, como mostra no próprio site da SEMGE os termos do mesmo. Veja abaixo:

E agora José???
Compartilhe: