Compartilhe nas redes sociais

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Agentes de Saúde em Ipameri - GO, trocam itens que acumulam água por material escolar


O Projeto existe há cinco anos e vários moradores participam em Ipameri, GO. Iniciativa diminui criadouros do mosquito da dengue e estimula educação.

Agentes de saúde de Ipameri, no sul de Goiás, trocam itens que podem acumular água por materiais escolares, como cadernos, colas e lápis de cor. O projeto existe há cinco anos na cidade, e os organizadores conseguem estimular a retirada de objetos que facilitam a proliferação do Aedes aegypti e incentivar os estudos de várias crianças.

O gerente de endemias da cidade, Fabiano Gomos, que participa da troca, conta que o projeto tem dado resultado. “O principal objetivo é retirar esse material que está acumulando água no quintal para ser trocado por coisas que vão ajudar as crianças a começar o ano na escola. Então unimos o útil ao agradável, eliminando criadouros do Aedes aegypti aqui no nosso município”, explicou.

Vários moradores da cidade levam diversas sacolas de garrafas pet, vasilhas e tampas para o posto de trocas, onde conseguem diversos itens de material escolas. Uma moradora relata que participa do projeto desde que ele começou e que, este ano, ela conseguiu trocar os materiais que levou por três cadernos de 10 matérias, uma caixa de lápis de cor, cola, canetinha e lápis.

A dona de casa Francilene da Luz mostra que reuniu vários sacos de materiais recicláveis para conseguir trocar por itens escolares para os filhos. Segundo ela, a coleta começou há meses e foi necessário sensibilizar outras pessoas para conseguir juntar tudo o que precisava.

“Desde o final de outubro comecei a trabalhar firme para juntar e pegar o material escolar para as crianças. Pedi meus vizinhos para juntarem para mim. Falei ‘tem um projeto, que é muito importante, um trabalho social, e eu preciso da ajuda de vocês’ e eles colaboraram comigo”, contou.

O supervisor de endemias de Ipameri, Romes Dias da Silva, conta que até mesmo aquelas pessoas que não têm condições de levar os materiais ao ponto de troca recebem auxílio da organização do projeto. Um carro vai até os endereços de quem quer fazer a troca e recolhe os objetos. “Vamos até as casas das pessoas que não têm condições de levar [os itens] até o ponto de coleta para ajudar, mobilizar essa campanha que é muito importante”, disse.
Fonte: Bio ACS
Compartilhe: