Compartilhe nas redes sociais

quarta-feira, 25 de março de 2015

SINACS/RJ denuncia as mazelas dos postos de saúde e dos ACS de São Gonçalo!

O Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde do Rio de Janeiro - SINACS/RJ, denuncia as mazelas e o abandono do prefeito Neilton Mulim (PR), tanto com os postos de saúde quanto com os ACS e ACE.

"No dia 01/03/2014 foi exibido no fantástico o descaso dos postos de saúde pelo Brasil e como todos que viram na televisão e leram nossa reportagem postada aqui no facebook e blog puderam constatar o quanto nosso município vem sofrendo com este descaso e foi o primeiro a ser citado na reportagem, o abandono que sofremos e nós agentes comunitários de saúde “esquecidos”.

Baseado na resposta do Sr. Secretário de Saúde ao fantástico, fomos atrás da verdade, embora saibamos perfeitamente a realidade que enfrentamos diariamente, nós do Sinacs/RJ trabalhamos com verdade, então queremos provar que a situação é bem pior do que foi mostrado e cobrar das autoridades uma solução, pois sabemos que existe o repasse de verba por parte do governo federal e onde está o dinheiro para investir na saúde?
Nossa equipe de reportagem foi às ruas e visitamos vários postos, porém listamos os piores no quesito estrutura, atendimento, condições de trabalho para os agentes, dentre outros.
Nossa primeira visita foi ao posto do Anaia Grande, lá encontramos uma fila de espera por atendimento e não tinham médicos, neste existem 2 médicos, uma que está de férias e outro que vai 1 vez na semana e segundo os próprios moradores só fica em torno de 1h e não presta o devido atendimento nem cumpre sua carga horária, sim pois ela existe e não é cumprida.
O povo precisa de atendimento médico, existem casos que um agente, um enfermeiro, um técnico resolvem, mas e os casos que só o médico resolve?
Abaixo segue o depoimento de um Senhor morador há mais de 30 anos do bairro e que nos relata uma história triste e de descaso, que não quis ter a sua identidade revelada.
O Sr. R. 66 anos, sofre de catarata em uma das suas vistas e há 5 anos espera para uma operação para retirada da mesma, só promessas, idas em vão a vários postos, voltamos a lembrar que segundo a assessoria da secretaria de saúde disse, que se não existe recursos que o paciente procura, ele encontrará em outro posto. A pergunta é, onde? Esse Senhor sofre com o descaso da saúde do município e com o tempo de espera, a catarata está passando para outra vista, ele quase não enxerga mais e trabalha como marceneiro e depende do trabalho para o sustento de sua família e com o problema não consegue exercer suas atividades, segundo seu relato ele demora 30 minutos para colocar um parafuso no lugar o que prejudica seu desempenho como profissional e o faz correr riscos, pois como quase não enxerga, além dos riscos que ele pode sofrer no trabalho, caminhando pelas ruas já quase foi atropelado inúmeras vezes.

“A sensação é de abandono, perdi uma filha por negligência médica nesta saúde e agora eu estou quase cego e não consigo atendimento no meu município, essa semana que consegui uma vaga em Niterói para ser atendido por um médico e ver a possibilidade de uma operação, é um absurdo!”
Continuando nossa jornada fomos no posto do Bandeirantes, lá nos deparamos com um simples espaço, mal cabem 3 pessoas, imagina um atendimento?
Não se tem médicos, apenas agentes comunitários com muita força de vontade em ajudar a população.
Dentre os diversos casos que nos deparamos o mais triste e comovente foi o do Sr. Paulo que sofre há mais de 15 anos com diabete e com todas as suas dificuldades NUNCA, digo NUNCA conseguiu um atendimento, remédio, nada no município de São Gonçalo, ele era motorista de ônibus tinha uma vida ativa e quando viu tudo desmoronar com a chegada da doença, teve que parar com suas atividades e correr para se tratar, recorreu a diversos postos e todos disseram a mesma coisa: Não tem condição de atendimento, não tem remédios, não tem tratamento. No auge do seus desespero, o mesmo recorreu ao município de Itaboraí onde lá foi assistido e tem total tratamento para sua doença, remédios, exames e até o cartão de passagem para deslocar de São Gonçalo a Itaboraí.
Segundo seu relato: “Quando descobri a doença e recorri a vários postos procurando por exames, remédios e tratamentos, todas as portas se fecharam e eu achei que tudo estava perdido, foi então que recorri a Itaboraí para me tratar e mesmo assim só consegui porque minha mãe é residente do município, caso contrário, já teria morrido.”
Após a entrevista com o Sr. Paulo, rodamos o bairro e vimos como a realidade é triste, achamos um posto que estava sendo construído e parou (motivo desconhecido), um posto grande, com uma estrutura perfeita para atender a população e virou depósito de lixo, desmanche de carros e dentre outras coisas.
Abaixo colocamos as fotos que provam tudo que foi descrito acima para que possam ver o descaso do Secretário de saúde, prefeito e demais autoridades para com a nossa saúde, quantas pessoas morrendo por não terem assistência, quantas tendo que com muita dificuldade procurar atendimento em outros municípios e nossa São Gonçalo abandonada.



Até quando?

 Fica a pergunta..."
Fonte: SINACS/RJ

Parabéns ao SINACS/RJ pela atuação. Sindicato combativo trabalha dessa forma!

Fico triste em ver tanto descaso na minha terra natal....
Compartilhe: