Compartilhe nas redes sociais

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Mas afinal, porque Salvador aderiu ao trabalho de mutirão no PMCD, e qual o impacto na qualidade do trabalho?

Olá colegas, venho comentar o que está acontecendo com os Agentes de Combate às Endemias que atuam no PMCD.

Depois de muitos anos trabalhando de maneira quase zoneada, isto é trabalhando na mesma área de atuação. Mas de uma hora para outra, o VCZ muda a forma de atuação do agente do zoneamento para mutirão.

Mas o que é trabalho em mutirão? 

É a metodologia de trabalho onde todos os agentes atuam na mesma área no mesmo tempo, onde este não cria nenhum vínculo com a comunidade. Entram, fazem o serviço e saem.

Um biólogo do VCZ, informou que as áreas não estavam fechando a área a tempo, e por essa razão que esse foi o método escolhido para que Salvador conseguisse fechar os ciclos e aumentar a sua área de cobertura.

Mas o problema foi: a que custo?

Com certeza o trabalho ganhou agilidade, mas teve uma drástica piora no trabalho: Os agentes de endemias não estão recuperando, e como consequência, aumenta o índice de pendência já que o trabalho é feito na correria e os agentes não retornam após a área trabalhada, os agentes de endemias não estão sendo tratados com foco atuação da saúde, mas sim como meros controladores de praga!

O ACE tanto como o ACS tem que trabalhar para e com a comunidade, em parceria, e esse resultado só é possível se o agente trabalhar zoneado porque cria vínculo e o mesmo se sente responsável pelo cuidado e acolhimento da comunidade e com a construção da confiança este sentimento se torna recíproco.
Vale ressaltar que o SUS não preconiza o trabalho de mutirão, e que vai contra os próprios princípios do sistema, que é o profissional integrado, interagindo, conhecendo e compreendendo a comunidade que trabalha.

Essa metodologia de trabalho além de ser prejudicial para a comunidade, tembém expõe o Agente a perigos que eram menores se trabalhassem na sua área de atuação, que é a VIOLÊNCIA!

Um perigo que o nosso Blog relatou constantemente com os Agentes que atuam no Combate a Leptospirose, que por não trabalharem em uma área fixa, isto é zoneados, eles passaram e passam por muitas dificuldades, como ameaças de morte e incerteza de voltar para casa.

Hoje essa mesma preocupação acomete os ACE's que atuam no PMCD!

Os agentes aumentaram a produção em cerca de 20 a 25% com o acordo do horário ininterrupto, então como não conseguem fechar a área?

A outra preocupação é que o horário ininterrupto está atrelado, não somente na produção, mas na QUALIDADE do serviço, e com os altos índices de pendência pode prejudicar a nossa metodologia atual de trabalho.

Os agentes não aguentam mais esse método de mutirão, ou "arrastão", porque esses profissionais sabem que esse tipo de trabalho não é o ideal para um município complexo e perigoso como Salvador e muitos se sentem muito mal em ser obrigados a fazer esse tipo de "serviço sujo".

O que o VCZ tem que fazer é parar de querer tapar o Sol com a peneira e exigir de ACM Neto (DEM) o concurso dos ACE's e ACS's para acabar com essa metodologia de trabalho que com todo o respeito é um TRABALHO PORCO, onde visa somente a produção e não o bem estar da população e do profissional que cada dia mais está doente e cansado com todos esses tipos de pressão.

O AGENTE DE SAÚDE TEM QUE TRABALHAR EM CONJUNTO COM A COMUNIDADE PARA QUE AS AÇÕES DE SAÚDE TENHAM A REAL EFICÁCIA NA VIDA DO CIDADÃO E NA MELHORA DOS SEUS INDICADORES!
Compartilhe: