Compartilhe nas redes sociais

segunda-feira, 23 de maio de 2016

JUSTIÇA: Médica que atropelou Agente Comunitária na Paralisação Nacional, será indiciada.

A médica pediatra Sônia Cristina que mora em Ji-Paraná e é acusada de ter furado o bloqueio da greve dos agentes comunitários de saúde durante a manifestação na BR-364 quarta-feira na chegada de Ouro Preto do Oeste, e de ter atropelado a manifestante Rosângela Lucas da Silva, de Vilhena, vai responder na Justiça pela atitude que quase causa uma tragédia.
Ela avançou com o veículo modelo Corolla de cor preta contra os manifestantes e Rosângela que estava de costas foi atingida pelo carro, e teve de ser socorrida ao Hospital Municipal Laura Maria Carvalho Braga, com uma fratura no tornozelo e luxação na perna. Outros agentes disseram que se esquivaram do veículo para não serem atropelados.  

Segundo o inspetor Jesuino Alves Dantas, a placa do veículo da médica foi anotada, e ela receberá duas multas no valor de R$ 957,00 cada, e responderá pelo crime de atropelamento e omissão de socorro, conforme registro feito pela vítima na Delegacia Civil de Ouro Preto.

Os manifestantes a identificaram a profissional que é pediatra, mora em Ji-Paraná, e trabalha numa clínica particular de saúde preventiva em Ouro Preto do Oeste e numa clínica de Jaru. Ela só não foi presa em flagrante por atropelamento e omissão de socorro porque os patrulheiros da Polícia Rodoviária Federal não a encontraram na clínica de Ouro Preto.

A reportagem apurou que médica seguia para uma clínica particular na cidade de Jaru, onde ela atenderia na data de ontem. O presidente da Federação Rondoniense dos Agentes Comunitários (FERAS) Mendes de Souza Aguiar e os manifestantes lamentaram a atitude de desrespeito da profissional da área de pediatria, num momento de luta da categoria que também atua na saúde preventiva, porém ganha um salário bem inferior ao dela, e não têm as mínimas garantias e condições de trabalho.
Fonte: G1 Rondônia
Compartilhe: