Compartilhe nas redes sociais

quarta-feira, 4 de maio de 2016

EFTS forma a primeira turma de Agentes de Endemias em Técnicos em Vigilância em Saúde do Estado da Bahia.

Com auditório lotado, 35 discentes da Escola de Formação Técnica em Saúde – EFTS se tornaram os primeiros Técnicos em Vigilância em Saúde do Estado da Bahia. O curso é realizado pela Escola em parceria com o Ministério da Saúde, por meio do Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a saúde (PROFAPS) e nasceu de uma carência de formação dos trabalhadores para esta área.
Numa tentativa de implantar um modelo alternativo de atenção à saúde e de reconhecer a necessidade de qualificação desse ator, em março de 2014, como projeto piloto, 72 Agentes de Combate às Endemias do município de Salvador foram matriculados no curso, organizado em quatro módulos, subdivididos em unidades didáticas com carga horária de 1200 horas de teoria e prática e 400 horas de estágio supervisionado. Desses, 50 profissionais saíram habilitados pela EFTS/SESAB/PROFAPS, colocando a Bahia na posição de terceiro estado a financiar a formação para Agentes de Endemias na área da Vigilância em Saúde.


Colação de grau

Entre um dos momentos mais tocantes, o Grupo Vocal Pentágono, sobre a regência do maestro Carlos Veiga Filho, emocionou a plateia e os formandos com as eternizadas canções “Coração de Estudante” e “Canção da América”, de Milton Nascimento.

Grupo Vocal Pentágono
As homenagens continuaram com o Técnico em Vigilância em Saúde, Genário dos Santos, que prestou uma homenagem em forma de poesia a um dos funcionários da Escola. “Seu Zé”, como carinhosamente é conhecido por alunos e funcionários da EFTS, foi escolhido como “amigo da turma” pela dedicação com que trabalha e trata a todos.

Discentes homenageiam seu "Zé" como é carinhosamente chamado.
Importância da formação

Não faltam momentos para relembrar a importância da formação. Durante o discurso, o orador da turma Ivando Antunes falou sobre o reflexo do curso para a população e a necessidade de ampliar a formação: “Existem aproximadamente 13.000 Agentes de Endemias no Estado da Bahia e destes, 2.000 em Salvador. Para que a população sinta o reflexo da verdadeira melhora nos serviços de saúde, este curso deve ser ampliado cada vez mais”, afirma. Veja abaixo o discurso completo:

 

Além da ampliação da oferta, o técnico sanitarista e em vigilância em saúde, Gabriel Rosas, pontua a busca pelo reconhecimento profissional: “Vamos em busca desse reconhecimento para que num futuro próximo, o TVS seja incluído no Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)”.

Para a diretora da EFTS, Maria José Côrtes Camarão estas falas só reforçam o papel da Escola na formação de profissionais para a saúde “São momentos como este que nós, enquanto gestores, fazemos uma avaliação se estamos trabalhando bem, que percebemos o quanto os alunos falam com convicções sobre o SUS. E, nos prova que o que é público vale a pena sim! E a democracia vale a pena sim! E, que vale a pena brigarmos por esta parte da sociedade, por esses trabalhadores”, assegura.

Participação

Participaram da mesa da formatura Laura Nogueira, representando a Superintendência de Recursos Humanos da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SUPERH/SESAB), Maria José Côrtes Camarão, diretora da Escola de Formação Técnica em Saúde Prof. Jorge Novis, a coordenadora pedagógica da EFTS, Maria Ester Souza Marinho, a coordenadora do curso TECVISAU, Iolanda de Macedo Magalhães Leal, a patronesse da turma, Daniele Vieira e o conselheiro e coordenador do SINDACS/BA, Edson Moraes de Oliveira. Também esteve presente, representando o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Carlos Alberto da Silva Santana, Biólogo e Reginaldo Fernandes, líder geral do Distrito Sanitário Barra/Rio Vermelho.


A composição da mesa.
Agradecimentos

Os formandos agradeceram a alguns atores que apoiaram de alguma forma a formatura. Além da EFTS, escola responsável pela formatura e organização da cerimônia, juntamente com os alunos, todos os formandos que participaram da solenidade receberam seus Jalecos, estes doados de surpresa, como forma de incentivo para que não pare por aí. Por isso queremos agradecer ao SINDACS/BA, Gabinete do Dep. Zé Neto, Gabinete do Dep. Federal Jorge Solla, e o Sindicato dos Rodoviários, na pessoa de Hélio Ferreira, presidente.


A turma posando para as fotos com os Jalecos. 

O símbolo escolhido e o porque.

Porque o símbolo dos Técnicos em Vigilância em Saúde são duas Serpentes em volta da Lupa?

Como na maioria das profissões de saúde utiliza uma serpente como símbolo, por conta da lenda que o pai da medicina tinha duas filhas: Hygia, que o ajudava em sua lida diária na arte de curar e no estudo dos males que afligiam o homem, e Panacéa, vaidosa, que passou a vida inteira a procura do elixir da longa vida, o soro da juventude que lhe conservasse a mocidade e a beleza.

Seguindo o mesmo caminho, não poderíamos ficar de fora.

Vigilantes, como diz o dicionário; aquele que vigia; guarda que se responsabiliza por vigiar.


E como nossa profissão envolve investigar, prestar atenção aos detalhes no processo saúde e doença da população, riscos, agravos, potencialidades e problemas de saúde do território, nada melhor do que a lupa para representar nossa profissão, e as serpentes em volta vem para sacramentar e consolidar nossa profissão na área da saúde. Vejam abaixo:




Agora o momento é para buscar novas turmas e ampliar para que todos os ACE e ACS, tenham oportunidade da formação técnica e que este seja reconhecido no Plano de Cargos e principalmente na mudança do processo de trabalho.  

QUE VENHAM NOVAS TURMAS!!!
Compartilhe: